Tratamento Pré-Operatório

O atendimento realizado antes da cirurgia é de extrema importância para acelerar a recuperação da cliente.

Neste primeiro contato iremos conhecer a cliente através da avaliação, orientá-la quanto à nicotina, roupas que deverão ser levadas ao hospital no dia da cirurgia, posicionamento no leito, além de melhorar as condições da pele e dos tecidos da região que será operada.

Devemos avaliar a presença de fibroses decorrentes de cirurgias plásticas anteriores, pois se sabe que elas podem permanecer nos tecidos por anos. Os pacientes que apresentam fibroses que não foram tratadas têm maior probabilidade de desenvolver irregularidades, uma vez que o tecido não foi tratado; teremos duas vezes mais tecido cicatricial.

É importante realizar também uma avaliação do sistema circulatório do paciente, observando a presença de edemas, pois dependendo do local ele poderá se agravado ou até mesmo tratado antes da cirurgia.

Exercícios de mobilidade articular devem ser ensinados aos clientes para que o mesmo possa realizar após a cirurgia, com intuito de melhorar a circulação sanguínea e linfática.

São realizadas técnicas diferentes conforme a cirurgia e o estado clínico do cliente, mas normalmente realizamos a drenagem linfática, esfoliação da pele, hidratação e nas cirurgias faciais limpeza de pele.

Tratamento Pós-Operatório

Nessa fase a atuação do fisioterapeuta é de extrema importância visto que o cliente encontra-se ansioso, com dores, equimoses, edemas.

Neste momento realizamos novamente a avaliação para comparar os dados que colhemos anteriormente. Além disso, realizamos uma inspeção do tecido operado observando as alterações que deverão ser tratadas e/ou complicações; essa ultima quando presente deverá ser repassada ao cirurgião responsável.

Neste momento iremos lançar mão de técnicas de massagem e recursos térmicos e elétricos para recuperar a cliente da melhor forma. Estes recursos são utilizados na tentativa de proporcionar um ambiente ideal para que a reparação da lesão aconteça.

Dessa forma prevenimos a formação de aderências, principal fator agravante no pós-operatório, pois estas aderências impedem o fluxo normal de sangue e linfa, aumentando ainda mais o quadro edematoso, retardando a recuperação.